Empossada delegada do INS na cidade de Maputo

Foi empossada esta manhã, 06.07, a delegada provincial do Instituto Nacional de Saúde (INS) ao nível da Cidade de Maputo, Edna Viegas, que deverá responder, igualmente, pela região sul do país.

O acto foi dirigido pela Secretária do Estado da Capital do país, Sheila Afonso, que na ocasião apelou a empossada a promover pesquisas científicas que respondam e reduzam o impacto das grandes endemias que apoquentam a cidade de Maputo e o país, em geral, nomeadamente a Covid-19, malária, tuberculose, HIV/SIDA, parasitoses intestinais, as doenças de desnutrição crónica e da desnutrição protéico-calórica e por micronutrientes, entre outras.

A dirigente referiu que o cenário provocado por estas enfermidades exige que as instituições de pesquisa e análise epidemiológica, à semelhança do Instituto Nacional de Saúde e suas delegações, procurem soluções científicas que possam dar resposta à altura dos problemas enfrentados.

“A senhora delegada provincial da Cidade de Maputo do INS tem essa desafiante missão de colocar a nossa cidade e a região sul do país no rol de instituições que concorrem para a busca incessante de soluções criativas e inovadoras no campo de pesquisas em saúde, que respondam eficazmente a prioridade relativa ao desenvolvimento do capital humano e justiça social, do Programa Quinquenal do Governo, no objectivo estratégico inerente a expansão do acesso e melhoria da qualidade dos serviços de saúde”, exortou.

 Médica investigadora, a Dra. Edna Viegas é funcionária do INS e antes de assumir a nova posição vinha dirigindo o Centro de Investigação e Treino em Saúde da Polana Caniço, uma unidade de pesquisa clínica filiada ao INS.  

 Na ocasião, Edna Viegas referiu que o estabelecimento das delegações provinciais, como a da cidade de Maputo, vai permitir maior aproximação com as estruturas e governo local, melhorar a implementação das actividades e das estratégias de investigação em saúde e saúde pública, que estão na alçada do INS. Sobre prioridades da delegação, que é a segunda a ser estabelecida no país, depois da Beira, referiu que estão dentro do contexto da resposta à pandemia da Covid-19 que assola o país e o mundo, nomeadamente nas actividades de vigilância activa em curso nas unidades sanitárias, apoio às estruturas locais de saúde nas necessidades que houver, entre outras.