Empossados técnicos para posições de chefia do INS

O director-geral do Instituto Nacional de Saúde, Ilesh Jani, conferiu posse esta quinta-feira, 20 de Agosto, a oito chefes de departamento e repartição de nível central e cinco profissionais da Delegação Provincial da Cidade de Maputo, dentre directores científicos, de centro de investigação, chefe de unidade de pesquisa, departamento e repartição.

Para o nível central, foram empossados Júlia Assiat, chefe do Departamento de Gestão e Coordenação da Investigação em Saúde, Leonildo Balango, chefe do Departamento de Comunicação e Técnico Científico em Saúde, Euridsse Amade (repartição de Pós-Graduação e Formação Contínua), Salomão Mujui (Repartição de Secretaria Académica) e Igor Capitine (Repartição de Comunicação e Eventos Científicos). Igualmente foram empossados, no nível central, Isabel Mahumane, para o cargo de chefe de repartição para a Coordenação e Registo da Investigação em Saúde, Marta Cassocera (Repartição de Promoção da Investigação em Saúde) e Lourenço Marcos Júnior para a repartição de Auditoria Interna e Qualidade.

Para o nível da delegação do INS na cidade de Maputo, foram empossados Ivalda Macicame, para o cargo de chefe do Departamento de Pesquisa, Formação e Inquéritos de Saúde, Denise Rena Das Neves Langa, chefe de repartição de Inquéritos e Observação de Saúde. Também foram empossados Celso Jacob Khossa e Patrícia Maria Ramgi para director e director científico do Centro de Investigação e Treino em Saúde da Polana Caniço respectivamente, Ana Olga Mucumbi, para dirigir a Unidade de Investigação Biomédica de Mavalane (ambas instituições de investigação são tuteladas pela delegação do INS na Cidade de Maputo).

Dirigindo-se aos empossados, o director-geral do INS, Ilesh Jani, referiu que a tomada de posse acontece num momento muito particular de combate à pandemia da COVID-19, mas também histórico para a instituição, porque pela primeira vez foram empossados quadros de uma delegação provincial, dando corpo a nova estrutura orgânica aprovada em 2017 e ao regulamento interno aprovado no ano transacto.

O dirigente destacou o papel do INS na frente de combate à pandemia da Covid-19, indicando que “é a única instituição do Sistema Nacional de Saúde que pode combater de forma multidisciplinar e unificada através de inquéritos, vigilância, serviços laboratoriais, formação e comunicação”.

Desejou energia a todos os empossados para o pleno exercício das funções confiadas, com responsabilidade, criatividade e geração de evidência científica com impacto na sociedade moçambicana. “Somos todos parte da mesma instituição, temos estruturas periféricas, mas somos todos parte da mesma família e é funcionando como uma família que vamos ter o impacto desejado”, explicou.